terça-feira, 11 de agosto de 2009

Tente de novo!


Deus se esqueceu de mim! Às vezes é tão difícil acreditar que possa existir algo melhor, quando se está parado em casa sem grandes oportunidades, mas... Deus tem uma nova história, um novo tempo para nossas vidas, o que temos que fazer é crer.

Aprendi esse final de semana que fé é a habilidade de Deus em nós, o significado de habilidade segundo o dicionário Aurélio é capacidade, astúcia, ou seja a capacidade de Deus em fazer de nós algo que não acreditarmos que poderíamos fazer.

Consegui entender que ser livre em Cristo Jesus é deixá-Lo livre para fazer o melhor Dele em mim.

O mais gracioso em Deus é saber que todos os dias Ele derrama o perdão em nós, e se esquece de tudo que foi dito e mal-dito, por isso sempre temos que tentar e tentar e tentar de novo aquilo que foi mal-feito, ou mesmo foi feito não foi bem sucedido.

Hoje quando estava tentando pensar em algo para escrever Deus fez me lembrar de um livro que comecei a ler e não terminei o título é “A Mulher confiante, da Joyce Meyer, é o que mais me tocou foi o capítulo que veio a minha mente “ Se não conseguir da primeira vez, tente, tente de novo”.

Deus nunca desistiu de nós, e isso está confirmado em João 3:16 – “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que enviou o seu filho unigênito para que todo aquele que crê não pereça e tenha vida eterna., então porque desistir tão fácil, é só levantar balançar a poeira e crer que Deus tem o melhor para nós!

Preste atenção numa parte do diário do Pastor John Wesley:

Domingo5 de maio, manhã
Preguei na Igreja St. Anne. Pediram-se que não retornasse.
Domingo 5 de maio, tarde.
Preguei na igreja St. Jude. Também não posso voltar lá.
Domingo 19 de maio, manhã.
Preguei na igreja St. Qualquer Coisa. Os diáconos convocaram uma reunião especial e disseram que não poderia retornar.
Domingo, 19 de maio, tarde.
Preguei na rua. Fui expulso da rua.
Domingo, 26 de maio, manhã.
Preguei na campina. Fui expulso da campina quando um touro foi solto durante o culto.
Domingo, 2 de junho, manhã.
Preguei ao ar livre, nos limites da cidade. Fui expulso da estrada.
Domingo 2 de junho, tarde.
Preguei em um pasto. Dez mil pessoas vieram ouvir-me.

Nota da Fabrícia: Imagina se ele tivesse desistido na primeira!